Vitória “cai de pé” na lotaria dos penáltis

Categorias: Futebol


2015.12.15 - Jogo VFCvsRAFC_5.ªElimTP 01

Vitória “cai de pé” na lotaria dos penáltis

O Vitória ficou pelo caminho nos oitavos-de-final da Taça de Portugal após ter perdido nas grandes penalidades (2-4), frente ao Rio Ave, onde os guarda-redes de ambas as equipas assumiram protagonismo ao defenderem dois castigos máximos, cada um, e num jogo electrizante que manteve a incerteza no resultado durante os 120 minutos que durou a partida.

A boa entrada inicial dos comandados de Quim Machado fazia prever o grande golo do “matador” Suk, num remate de pé esquerdo de fora da área, que fez o esférico entrar no ângulo da baliza de um impotente Cássio, que mais não podia fazer do que admirar a obra de arte do internacional coreano. Estávamos no minuto doze da partida e o Vitória colocava-se em vantagem no marcador.

Mais experiente e com a espinha dorsal da equipa a transitar da época passada, o Rio Ave foi equilibrando a partida e as oportunidades sucediam-se para ambos os lados, com as mais flagrantes a serem o cabeceamento de Marvin Zeegelaar ao poste (27’) e, na resposta, o remate de André Claro (31’) a fazer a bola embater na barra, após grande intervenção do guarda-redes Cássio.

Ainda antes do intervalo, Toni Gorupec tira um cruzamento “venenoso” da direita, para a área, onde surge Vasco Costa (38’) a antecipar-se ao guarda-redes contrário mas o esférico sai ligeiramente ao lado e o resultado manteve-se no 1-0, até final dos quarenta e cinco minutos.

No recomeço, o Rio Ave consegue chegar à igualdade através de um remate forte de fora da área do médio ganês Wakaso (49’) e a partida ficava, assim, relançada e com desfecho incerto.

No assalto final em que o Vitória iria tentar evitar o prolongamento, o jogo acabaria por ficar marcado pela expulsão do defesa central vitoriano, Rúben Semedo (82’), que ainda no seu meio campo teve uma entrada imprudente sobre Pedro Moreira, que o árbitro da partida, João Capela, admoestou com cartão vermelho directo. O Vitória ficava a jogar com menos uma unidade e com mais trinta minutos de tempo extra pela frente.

O prolongamento nada de novo trouxe ao resultado com os jogadores sadinos, em inferioridade numérica até aos 112’ momento em que Marvin Zeegelaar viu o segundo cartão amarelo, a resistirem às investidas vila-condenses e a tentarem saídas rápidas para o ataque, sem grande sucesso.

Estava escrito que seria a lotaria das grandes penalidades a decidir a equipa que passava aos quartos-de-final da prova e aí o Rio Ave viu a sorte sorrir-lhe.

2015.12.15 - Jogo VFCvsRAFC_5.ªElimTP 01O médio vitoriano, Fábio Pacheco, tenta o remate de longa distância.

2015.12.15 - Jogo VFCvsRAFC_5.ªElimTP 02O internacional sub-21 croata, Toni Gorupec, conduz um ataque pela ala direita vitoriana.

2015.12.15 - Jogo VFCvsRAFC_5.ªElimTP 04O esquerdino Ruca substituiu ao intervalo o lateral Nuno Pinto que sofreu uma ligeira indisposição, impeditiva de continuar em jogo.

2015.12.15 - Jogo VFCvsRAFC_5.ªElimTP 03O médio ofensivo, André Horta, deixa Wakaso para trás e inicia mais um ataque sadino.

2015.12.15 - FolhaConstEquipa VFCvsRAFC__5.ªElimTP (2)

 



Deixe o seu comentário

Necessita de ter a sua sessão ligada para poder comentar.